CADASTRE-SE CADASTRE-SE CADASTRE-SE CADASTRE-SE - CADASTRE-SE -

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Para pintar o Rio de vermelho e preto: Flamengo é tricampeão da Copa do Brasil e está garantido na Libertadores de 2014; Hernane é artilheiro da competição, com oito gols

O mosaico que dizia "Conte comigo Mengão", verso de uma das músicas mais tradicionais da arquibancada rubro-negra, descrevia o sentimento da Nação. Cerca de 70 mil flamenguistas lotaram o Maracanã, na noite desta quarta-feira (27.11) testemunhando o tricampeonato do Flamengo na Copa do Brasil (1990, 2006 e 2013). O Mais Querido teve a honra de ser o primeiro campeão de uma decisão de clubes no Novo Maracanã. Em campo, o Fla venceu o Atlético-PR por 2 a 0, placar mais do que suficiente para o time que precisava apenas do empate sem gols para levantar a taça. Hernane, o Brocador, ainda ganhou seu prêmio particular: foi o artilheiro da competição, com oito gols, o último deles marcado onde ele mais gosta: no Maior do Mundo, e desta vez, em uma final. O volante Luiz Antonio ganhou, também da CBF, o prêmio de melhor jogador da partida.
 
Empurrado pelas vozes e braços dos rubro-negros em êxtase, o time dominou o primeiro tempo. Foram várias oportunidades de marcar de um Luiz Antonio inspirado nos chutes de longa distância. Os atleticanos não deram trabalho ao goleiro Felipe: o Furacão não chegou com grande perigo nenhuma vez.
 
O primeiro chute a gol do jogo foi de Luiz Antonio, aos seis minutos. O volante recebeu a bola depois de boa jogada de Paulinho e chutou forte no canto direito de Weverton, que espalmou. O garoto estava confiante. Aos 11, foi de Luiz Antonio a segunda finalização do jogo mas, dessa vez, o chute saiu fraco. Aos 19, foi a vez de Paulinho arriscar de fora da área, mas a bola saiu à direita do gol atleticano. Três minutos depois, André Santos chegou com perigo no bico da pequena área, mas na divida com o arqueiro paranaense, Weverton levou vantagem. De novo ele. Aos 34 minutos, depois de longa troca de passes do Fla, Luiz Antonio recebeu na direita, driblou para o meio e emendou a bomba de canhota para o gol, mas a bola foi acima do travessão. Aos 37, o capitão chegou perto de marcar. Léo Moura recebeu em velocidade na direita, invadiu a área de Weverton, mas errou o chute, depois da chegada de Marcelo na marcação. Três minutos depois, Deivid derrubou Hernane e o juiz Leandro Vuaden marcou a falta. Luiz Antonio, com fome de gol, se apresentou para a cobrança. O camisa 15 bateu com muita categoria, mas a bola, caprichosamente, beijou a junção da trave esquerda com o travessão de Weverton.
O segundo tempo de jogo começou mais equilibrado, mas o Flamengo, muito atento na marcação, não deixava o Atlético-PR chegar com perigo. Mesmo sem precisar marcar para ser campeão, o 0 a 0 já seria suficiente, o Fla era quem mais tomava iniciativa na partida. Aos 12, Paulo Baier levantou bem na área, mas Hernane, que costuma ajudar na defesa, afastou. Aos 13 minutos, o Flamengo tinha o triplo de finalizações do Atlético-PR: 9 a 3. A primeira chance de finalização do Brocador foi apenas aos 20 minutos do segundo tempo. Elias entrou pelo meio e tocou para Hernane, que dominou a bola e arrematou de canhota. Weverton fez boa defesa. No minuto seguinte, outra vez o artilheiro: Léo Moura cruzou na área,para Hernane, livre de marcação pelo meio, mas o camisa 9 não conseguiu cabecear firme para o gol. Aos 23, pressão atleticana que culminou em falta batida por Paulo Baier, mas a bola explodiu na barreira. Aos 28, o atacante Delatorre chutou a bola em cima de Samir, caído no gramado. O clima esquentou e Vuaden puniu os dois envolvidos com o cartão amarelo, encerrando a confusão. Aos 34, linda jogada de Paulinho, que recebeu em velocidade de cara para o gol, driblou Cleberson, mas o zagueiro conseguiu travar o chute. No minuto seguinte, Paulinho chegou novamente com perigo, avançou pela direita, entrou na área e bateu cruzado, mas a bola passou por todo mundo e saiu pela linha de fundo. Aos 36, outra falta para o Atlético com Paulo Baier na batida, mas de novo bateu na barreira. Ainda no mesmo minuto, bate-rebate na área do Fla, mas Samir afastou o perigo. Aos 39, quase que o Brocador marca num lindo voleio pela esquerda: a bola saiu forte, mas Weverton defendeu.

A primeira substituição do Fla foi aos 40 minutos. Saiu Léo Moura, passando a braçadeira de capitão para Hernane, e entrou o zagueiro González. Aos 40, Hernane tentou duas vezes com muito perigo, mas sem sucesso. Dois minutos depois, o camisa 8 do Mais Querido fez o dele. Depois de lindo drible de Paulinho, Elias recebeu e marcou de chapa, no canto direito do gol. O Maracanã explodiu em gritos de "É Campeão". Logo após a jogada do gol, o clima ficou mais tenso entre André Santos e Ciro, e os dois foram expulsos. Jayme aproveitou para fazer outra substituição: saiu o autor do gol, Elias, e entrou o lateral João Paulo. Como não podia deixar de ser, o jogo fica emocionante nos últimos minutos da final, que foram acrescidos de mais cinco, assinalados pelo juiz. Para aumentar a emoção, mais uma chance clara de gol, de Paulinho. No contra-ataque, o atacante recebeu na entrada da área, limpou a jogada e chutou. A bola passou muito perto da trave. No banco de reservas, um Elias muito emocionado assistia aos minutos finais da partida, os mais movimentados, do jeito que o torcedor rubro-negro está acostumado. Até que a Nação assistiu a imagem que todo flamenguista ama: gol do Brocador no Maracanã. E dessa vez, foi para garantir o título para o Mais Querido, além de selar sua artilharia na competição. Aos 49, Luiz Antonio encontrou Hernane de cara para o gol, que dominou bonito e tocou no canto esquerdo de Weverton. Ao fim da partida, com emoção e Maracanã lotado, uma final com a cara do Flamengo.
O treinador Jayme de Almeida, em dois meses à frente do Flamengo neste ano, ganhou um título nacional, eliminando o campeão brasileiro e os atuais segundo, quarto e quinto colocados no Brasileirão da competição.
"É emocionante, ser campeão aqui no Maracanã, com essa torcida maravilhosa e principalmente com uma equipe que não esmoreceu nunca. O tempo inteiro recebeu críticas e não se entregou. Quero agradecer a todos do Ninho (do Urubu), foi uma festa linda, o Flamengo veio humilde, lutou até o fim", disse Jayme com os olhos marejados.
Hernane, artilheiro da competição com oito gols, também estava emocionado ao fim do jogo.
"Agradeço a Deus e à comissão técnica que acreditou no meu trabalho. Com 60 mil não poderia ter outro resultado senão o titulo. A união faz a força e essa torcida empurrou nosso time do início ao fim. Voltei para o intervalo e falei que o gol do título eu faria. Agora é comemorar. Fiquei muito feliz de terminar esse jogo como capitão e fazer o gol do título", disse o Brocador, que recebeu de troféu a chuteira de artilheiro da CBF.
Paulinho, destaque do Fla neste final de temporada, desamarrou as chuteiras e jogou para a torcida.
"Não imaginava (esse final de ano), acho que nenhum jogador que vem do interior imagina essa grandeza, jogar para essa torcida", falou o atacante, elogiando a Nação.
 
Elias, o autor do primeiro gol, disse que por ele, continua no Fla.
"Se depender de mim eu vou ficar, já estou trabalhando para a minha permanência", disse o camisa 8.
 
Time campeão, Brocador artilheiro, torcida esfuziante comemorando madrugada adentro. Todos já sabem quais serão as cores que pintarão as ruas do Rio de Janeiro nesta quinta-feira.
Fonte: flamengo.com.br
Carregando...
Brasileirão